You need Adobe Flash Playerplugin in order to correct visualize this content.
Serviçso Úteis
Actividade (ex: hotel, rent-a-car, restaurante):

Ilha:


Clique no mapa para aumentar

COMO CHEGAR À ILHA DE SÃO JORGE
A transportadora aérea regional “Sata-Air Açores”, efectua voos diários para esta ilha normalmente a partir dos aeroportos de Ponta Delgada e Lajes na Ilha Terceira. O tempo médio de voo, a partir da Terceira, é de 30 minutos. Pode também utilizar o transporte marítimo, há ligações regulares a partir das ilhas: Faial (1.15h de viagem com escala em S. Roque do Pico e Madalena), Pico (30 minutos de viagem) e Terceira (2h e 30 minutos de viagem). A duração das viagens depende da transportadora que utilizar. Apresentamos a duração de viagens da companhia que utiliza barcos mais rápidos. Informe-se no seu hotel, junto de uma agência de viagens ou nas companhias de transportes marítimos referenciadas neste guia.

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA
Situada a 38º 24’ norte e 28º 33’ Oeste, fica a 20 Km (11 milhas) a norte da Ilha do Pico, 40 Km (21,6 milhas) a Sul da Graciosa, 30 Km (16,2 milhas) a leste do Faial e 60 Km (32,4 milhas) a oeste da Terceira. Tem 246 Km2 (95 milhas2), tendo 56 Km (30.2 milhas) de comprimento e 8 Km (4,3 milhas) de largura.


DESCOBERTA E POVOAMENTO
A data do seu descobrimento não está definida, no entanto, sabe-se que em 1470 começou por ser habitada, tendo o povoamento sido forçado no Topo, Guilherme da Silveira.

TRANSPORTES
Pode alugar um carro, utilizar o serviço de táxi ou viajar em autocarros de transportes públicos que ligam as principais localidades desta ilha.

LOCAIS DE VISITA OBRIGATÓRIA

Do Pico da Esperança, ponto mais alto da Ilha, com mais de 1000m de altitude, avistam-se as restantes ilhas do grupo Central (Terceira, Graciosa, Pico e Faial). A Vegetação que cobre estas encostas proporciona-nos uma paisagem invulgar.

Os abatimentos das encostas deram origem, nalguns sítios, a zonas planas denominadas Fajãs. Destacamos a Fajã do Ouvidor, Fajã dos Vimes, Fajã dos Cubres, Fajã de S. João, Fajã Grande, Fajã da Caldeira de Santo Cristo (único local nos Açores onde existem amêijoas). Apenas algumas delas têm acesso por estrada, onde pode circular um automóvel. Na ponta leste da ilha situa-se o Topo com seu farol e ilhéu onde existem colónias de aves marinhas.

Algar do Montoso – para quem gosta de espeleologia deve fazer-se acompanhar de um guia.

Furna das Pombas na Urzelina.

O Parque Florestal das Sete Fontes também merece a sua visita assim como o Parque Florestal da Silveira na Ribeira Seca.

COMO CONHECER A ILHA

Itinerário 1
Partida de Velas em direcção à Ponta dos Rosais, passando pela Baía de entre Morros, pelo Parque Florestal das Sete Fontes e freguesia dos Rosais. No regresso, passe pela Beira, siga pela costa norte, passando por Toledo e Santo António. No regresso, à costa sul encontra excelentes miradouros, passe pelos picos da Esperança e Caldeirinhas, prossiga depois por Urzelina, Ribeira do Nabo e Fajã de Santo Amaro até atingir a Vila das Velas.

Itinerário 2
A Caminho da Calheta, parte no miradouro da Ribeira do Almeida, Urzelina, visite a Furna das Pombas, Manadas, miradouro da Fajã das Almas e Biscoitos, desça à vila da Calheta, visite também a Fajã Grande, volte a subir a siga pela Ribeira Seca, Parque Florestal da Silveira, Pedras Brancas, Santo Antão e Topo no extremo leste da ilha. Aqui, visite o porto de pesca e o farol em frente ao ilhéu. Regresse pela mesma estrada até à Ribeira Seca, depois siga pela estrada norte da ilha, pare no miradouro da Fajã dos Cubres, de onde se avista a Fajã de Santo Cristo, com a sua lagoa. Continue a viagem pelo Norte Pequeno, Ribeira da Aveia, Norte Grande, pare no miradouro com vista sobre a Fajã do Ouvidor, (pode descer a esta fajã), no seu caminho encontra ainda Toledo e Beiras antes de chegar a Velas.

DIVERSÃO E CULTURA
A semana cultural de Velas realiza-se na primeira semana de Julho. São efectuadas conferências e palestras por destacadas figuras da cultura que se deslocam à Ilha de S. Jorge nesta altura. Espectáculos musicais, feira taurina e a regata Horta – Velas – Horta, completam o cartaz. Na Calheta, realiza-se o Festival de Julho. Durante uma semana esta vila recebe inúmeros visitantes que, aqui, assistem a espectáculos musicais, representações teatrais e exposições. Provas desportivas fazem também parte do programa de festas.


FESTAS TRADICIONAIS ASPECTOS ETNOGRÁFICOS
Com início no Domingo de Pentecostes, e prolongando-se até aos meses de Verão, as Festas do Espírito Santo, são celebradas, com grande entusiasmo e devoção, pela população local. No artesanato destacamos os bordados à mão e as mantas de S. Jorge, produzidas em teares antigos. O folclore é idêntico ao de outras ilhas, sendo o Sã Macaio, Sapateia e Pézinho as modas mais usuais. Tendo adapatado as violas, introduzindo-lhe algumas alterações, criaram as violas de arame, instrumento com que os tocadores animam as festas populares.




MONUMENTOS

Velas de São Jorge
• Igreja de S. Jorge, foi construída em 1460. Admire o valioso trabalho em talha.

• Igreja Nossa Senhora de Conceição – erigida no século XVII.

• Paços do Concelho, Construção do Séc. XVII, um exemplar da arquitectura barroca civil açoreana. “Torre Velha” ou “Torre Sineira”, na Urzelina mostra o que resta da primitiva Igreja, arrasada pela erupção vulcânica de 1808.

• Igreja de Santa Bárbara, construída no século XVIII Igreja de São Tiago, na Ribeira Seca. Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Vila do Topo, encerra valiosa colecção de azulejos, é talvez o templo mais rico da ilha.

Calheta
• Igreja de Santa Catarina

• Igreja Matriz, construída no século XVII.

• Igreja de São Tiago, na Ribeira Seca

• Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Vila do Topo

PRATOS TÍPICOS / DOÇARIA / VINHOS
Peixe fresco, boa carne de vaca, lagosta, cavaco, lapas e as famosas amêijoas da Caldeira de Santo Cristo são matéria prima para confeccionar deliciosas refeições.

O queijo de S. Jorge – dispensa apresentações, é único o seu sabor. Com fama internacional, este queijo é curado durante alguns meses em salas onde a temperatura é constante. Adquire um paladar por vezes picante. Sugerimos que acompanhe com um bom vinho tinto e pão caseiro. A produção deste queijo é o principal suporte económico da ilha de S. Jorge. Bolos típicos assim como as “Espécies”.

ZONAS BALNEARES
Piscinas naturais de Velas, Fajã do Ouvidor, Fajã Grande (junto ao Parque de Campismo) e porto do Topo são locais de águas límpidas e com temperaturas convidativas a um banho.

PESCA DESPORTIVA
O mar na costa de S. Jorge, é extremamente rico em espécies piscícolas. Sargos, garoupas, pargos, besugos, bodiões, vejas, anchovas, bicudas, serras podem ser capturados em diversos pesqueiros ao longo da ilha, utilizando a arte que mais gostar. Os iscos mais usados são a cavala, bonito, lula, camarão, chicharro e sardinha, e caranguejo. De barco fazem-se pescarias inesquecíveis, quer de corrico quer ao fundo.

CAÇA SUBMARINA
Lírios, sargos, garoupas, anchovas, bicudas, vejas, bodiões, etc., são espécies abundantes e de fácil captura. Há fiscalização rigorosa por parte das autoridades marítimas, informe-se sobre os regulamentos desta actividade.

OBSERVAÇÃO DE BALEIAS E GOLFINHOS
O canal de São Jorge é um excelente posto de observação de Cetéceos. Essencialmente, podem ser avistadas aqui botinhosos provenientes do Norte, bem como outras espécies de baleias de bico. Ao longo da costa, podem ser observados com frequência golfinhos e as baleias piloto. Entre Abril e Junho podem observar-se as baleias de barbatanas. A partir do cais das Velas, é possivel reservar viagens de observação, bem como o programa de nadar com golfinhos.

MERGULHO
A costa de São Jorge proporciona oportunidades de mergulho fantásticas. Ao largo do porto das Velas, existem paredes e declives com formações submarinas espectaculares. Podem também ser observados grandes cardumes de peixe na Ponta dos Rosais.
Existe um centro de mergulho nas Velas.

CAÇA
Pombos e coelhos são as espécies, mais abundantes. Sobre o calendário venatório, informe-se junto do Serviço Florestal de S. Jorge tel. 295 412 434.

SURF
Surf na Caldeira de Santo Cristo por empresa local Caldeira Surf.

PASSEIOS A PÉ
Existem alguns locais que vale a pena conhecer. Só conseguem os amantes desta actividade, pois tratam-se de difícil acesso. Existem guias da especialidade, informe-se numa agência de viagens ou no local onde estiver alojado. Não existem animais selvagens perigosos nem cobras.

Webdevelopment Via Oceânica, Lda.